Barão faz 62 anos dividido e em risco de desaparecer

Na noite do dia 30 de dezembro de 1953 o primeiro posto de gasolina “Shell” de Barão Geraldo foi depredado  e apedrejado.  Não foram estudantes  nem “terroristas” ou “black blocs”, etc.  Mas trabalhadores rurais que viviam da venda de suas plantações e o pouco que ganhavam era para o sustento da família. De manhã (no mesmo dia), um ônibus lotado  e vários carros saíram do mesmo posto  rumo ao  prédio da Assembléia Legislativa que funcionava no Palácio das Indústrias, Pq D.Pedro em São Paulo. O objetivo era assistir à promulgação do decreto lei 2456-53, sancionado pelo governador em 28 12 53, determinando o novo quadro territorial, administrativo e jurídico do Estado  (como determinava a “Lei Quinquenal” de 1952) , e que declarava Barão Geraldo como distrito de Campinas, porém com nova e  equivocada denominação : Barão “de” Geraldo. Nesse ônibus estavam  vários dos descendentes dos primeiros moradores e das famílias de Barão Geraldo  incluindo Salomão Mussi, o chefe da estação Joaquim Prado , o  ferreiro e líder comunitário Hélio Leonardi, os comerciantes Gebrael Mokarzel,  Nicolau Pacci, José Pacci, Agostinho Páttaro, Guerino , José “Moranguinho”, o primeiro vereador local,  Guido Camargo sua esposa Nura Mussi Penteado e diversas outras pessoas. O prédio da Assembleia estava lotado pois eram centenas de distritos criados.  Após discurso do presidente dep. Leônidas Camarinha e do governador Lucas Garcêz, Hélio Leonardi  -autor do abaixo assinado solicitando a “elevação”, recebeu   a cópia da lei assinada das mãos das autoridades. Após a promulgação e  festejos comemorativos oferecidos na Assembléia, com fotos e homenagens, a caravana retornou a Barão à noite e quando chegaram ao posto de onde haviam partido – que  era de Guido Camargo  e seu cunhado Mussi Mussi – se depararam com a depredação.   Além das vidraças e  janelas quebradas por pedradas,  a placa com o logotipo da Shell, a cobertura, vários móveis, utensílios , bombas etc  foram derrubadas ou  apedrejadas.  Evidentemente até hoje ninguém sabe quem foram os autores do vandalismo. Mas boquiabertos, os moradores da comissão atribuíram o vandalismo aos vários proprietários que eram contra a “elevação” de Barão Geraldo a distrito, porém deixaram para trás pois tinham que preparar o Ano Novo com suas famílias.

img522

principais líderes da comissão que representou Barão Geraldo na Assembléia Legislativa em 30.12.1953 (da esquerda pra direita, Guerino, Guido, Gebrael, Leonardi, Moranguinho, Pradinho, Jose Pacci e Nicola Pacci

 

 

 

O movimento começara em 1952 quando Guido e Hélio planejaram organizar uma comissão de moradores. Em Abril de 53, o abaixo assinado foi enviado  para a  Assembléia. Porém houve reação de uma parte da população de Barão. Liderados por Max Wunsche fizeram novo abaixo assinado e foram reclamar contra o distrito na Câmara Municipal .  Houve intenso debate mas a Câmara nada podia fazer.  O prefeito de Campinas, Mendonça de Barros ora apoiava o distrito, ora foi contra. Mandou uma solicitação para a Câmara e para a Assembléia com argumentos contrários, mas que porém não foram aceitos nem pela Câmara nem pela Assembléia. E no dia 30-10 a Assembléia aprovou a “elevação”.

O tempo foi passando e aos poucos todos foram se adaptando e  acabaram aceitando a criação do distrito. Pois depois dessa data ninguém  organizou nenhum movimento para que  Barão deixasse de ser distrito. Pelo contrário, além da data passar a ser a data oficial de Barão  (que antigamente era comemorada pelos diversos subprefeitos ao longo do tempo),  logo surgiu um forte  movimento  pelo progresso local, isto é,  para trazer outras indústrias e fábricas, novas estradas, escolas, linhas de ônibus, instituições , fortalecimento do comércio local e pela ampliação da economia imobiliária a partir da loteação dos diversos sítios.  Já havia, desde 1952 a  proposta da Cidade Universitária ser construída em Barão  (no que hoje é o Campus I da Puccamp) que foi  sendo acertado com o tempo.  Em 1959 foi construída a estrada Campinas a Cosmópolis, passando por Barão e acertada a retirada da linha da Sorocabana. Também foi o ano em que a Fazenda Rio das Pedras foi vendida para João Adhemar de Almeida Prado e que se iniciou  a construção da nova Paróquia de Santa Isabel atual,  inaugurada em 1963.

Isso impulsionou um novo movimento  –  também liderado por Hélio Leonardi ,  agora juiz de paz  e vários outros daquela comissão (como Mussi, Prado, Pacci, Guerino etc)  a lutar pela “elevação”  de Barão Geraldo a município assim que fundada a Unicamp em 1966.  E assim, novamente foi criada outra divisão entre os moradores.  A fundação do campus em 1968 (que foi como se fosse um grande “disco voador” a pousar num antigo bairro rural) e o crescente expansionismo da Unicamp no distrito, acabou por criar uma fortíssima divisão  não apenas territorial  e econômica em Barão, como também uma divisão ideológica de seus moradores e também de projeto político de desenvolvimento e que perdura até hoje:  De um lado, baronenses donos dos terrenos, descendentes dos fundadores, que lutam pelo crescimento e pelo “progresso”  e que praticamente só possuem seus imóveis e comercio e vivem deles. De outro lado, novos moradores (universitários engenheiros, médicos, cientistas muitos com experiencia internacional) e que  compraram seus lotes atraídos pela promessa imobiliária de um local bucólico, pacato, com alta qualidade de vida, muito verde , afastado das grandes cidades, entre duas fazendas, sem poluição, sem carros, sem muitas pessoas e violência.  Mas com a fundação da REPLAN em Paulinia  e da nova rodovia (o Tapetão) ,  da CEASA , do CPqD, de diversas fábricas  em Barão, da nova rodovia D Pedro e dos crescentes loteamentos  (em meio ao apoio irrestrito ao regime militar)  e o projeto estratégico militar da Cidade Tecnológica – a CIATEC –  durante os anos 1970 e 1980, cresceu e preparou-se cada vez mais o projeto de transformação de Barão Geraldo em município, com criação de Hino, de desfiles de 7 de Setembro , Dia da República e da Bandeira e a “Volta da Independência”, etc, a proposta  de  municipalização de Barão atingiu o seu auge, tendo mais 3 solicitações feitas à Assembléia. É claro que haviam diversos moradores contrários ao municipio, embora minoria.

Porém, o constante adensamento populacional e  o crescimento assustador de novos moradores nos anos 1980 e 90  – totalmente desconhecedores  de Barão e sua bela  historia, sem nenhuma identidade com o local e apenas informados pela grande mídia  –  começou a virar o jogo: agora, a grande maioria era contra o  “progresso” e o crescimento,  pela preservação  ambiental do que resta, contra novos loteamentos e adensamento populacional e exigem o que lhes foi prometido.  Mas desinformados, questionam também a ideia de novo município:  é “gastar mais dinheiro”, ou “nem pensar só serve para roubar!” além de outros argumentos irreais como falta de água, a Unicamp etc. Enfim, enquanto os  descendentes dos primeiros moradores apoiavam os militares e a maioria é politicamente mais defensora de um governo de direita, os novos moradores são mais elitistas, ambientalistas e sociais democratas,  sendo uma minoria de “esquerda”.

img509É importante lembrar que a história de Barão  é marcada pela divisão polarizada e conflituosa de sua população desde antes de existir:  primeiro, o grave conflito entre o  barão Geraldo e seu cunhado Albino José  em 1902 apos  o falecimento de Maria Amélia e o que isso sucedeu  (inclusive com o falecimento de ambos com meses de diferença entre 1908 e 1909) . Depois com o movimento pela primeira tomada de luz , vinda da Santa Genebra em 1935 , também liderada por Horácio e Hélio Leonardi – à qual vários  sitiantes, como José Martins, Manecão, Ibrahin Feres,  e outros não aceitavam e não queriam pagar o rateio, causando um grande conflito entre moradores.  Depois, após a vinda da Rhodia, a briga de Agostinho Páttaro pela divisão de seu sítio com a prefeitura  em 1947 e a criação da atual avenida Santa Isabel  – o que novamente gerou vários conflitos – e que se intensificaram com a primeira iluminação de Barão pela Força e Luz em 1949 – também encabeçada por Hélio Leonardi  – a contragosto de diversos moradores que não queriam mais gastos com luz. Houve agressões e inúmeras ameaças a Leonardi. Mas com o tempo…. impossível viver sem luz.

Atualmente Barão Geraldo vive uma nova dualidade entre suas principais formas de economia: de um lado, a economia imobiliária que se tornou necessária com a vinda da Rhodia e depois os milhares de outros empreendimentos que se seguiram, ampliou-se para bem além de suas fronteiras iniciais (rios Anhumas, Quilombo, etc) , chegado à divisa com Jaguariúna e a Estrada para Mogi, mas que hoje atingiu o ápice de sua contradição:  se se  transformar num novo e grandioso centro urbano como o de Campinas , com somente prédios inúmeras vias e algumas praças, onde vai parar toda a bela história e cultura de Barão Geraldo, de seu gentílico, sua bela vegetação e ambiente  e sua forte identidade? Para essa economia e sua concepção progressista,  impensável se pensar em emancipação que já foi esquecida até mesmo pelos filhos e netos dos baronenses que muito lutaram por isso.

De outro lado, uma proposta em evolução crescente de uma nova economia (isto é uma nova forma capitalista de ganhar dinheiro), baseada na cultura popular,  na educação e no turismo rural e ambiental, nas ecovilas, nas cantinas e bares, nos teatros,  escolas de dança e esportes, escolas de cinema fotografia e vídeo, escolas ecológicas, cultura vegana,  saraus e shows,  pluralidade religiosa, uma cultura alternativa de inspiração oriental, Centros Culturais, Pontos de Cultura, novas alternativas de Lazer para as crianças, ampliação dos calçadões e redução de carros. E fundamentalmente com a desapropriação da Fazenda e criação do Parque Rio das Pedras que deveria ser voltado para a educação, cultura e o turismo ecológico,  para uma nova forma de viver com mais harmonia com meio ambiente e novas formas de geração de renda sim.  Tal proposta é contra a economia imobiliária porém desconhece a Historia de Barão Geraldo (a não ser o que é minimamente divulgada pela prefeitura e mídia de Campinas) , seu riquíssimo patrimônio histórico , porque vieram sobretudo através da Unicamp que nunca se preocupou com Barão e despreza  e desconhece a municipalização. E essa proposta é basicamente a que se projetou e se faz em Joaquim Egidio , Souzas, Paranapiacaba, e outras pequenas cidades no entorno de gigantes.

Porém, mesmo que baseada na cultura ambiental,  na vida pacata do interior,  sempre ligada à vida rural e relacionamento com animais, etc  essa nova proposta de economia é extremamente ligada ao mercado, as necessidades de uma boa parcela das classes médias (medias mesmo) e altas. Ela até admite um uso mínimo de veículos, um shopping talvez alternativo, casas de música e shows  (embora ainda haja esse problema seríssimo em Barão) outras formas de comércio  nos campos de educação, artes, cultura, gestão de  lixo e recursos, energias alternativas (painéis solares, eólicos, bicicletas com retentores) feiras de arte artesanato etc. Mas necessita SIM investir na História local, na  arte e cultura, em educação  e Economia Criativa para que tenha retorno….  Enfim ao completar 62 anos , Barão precisa enfrentar e decidir se continua com a economia imobiliária e se integra definitivamente a Campinas (esquecendo suas histórias únicas e todas as suas especificidades locais)  ou se esquece isso e muda e investe na Economia criativa, no turismo cultural e ambiental que – não se enganem é e será extremamente lucrativo  (ao longo do tempo é obvio)  e provavelmente superará e muito a economia imobiliária da qual alias não poderá abrir mão.

Creio que não seja necessário  um novo e corajoso Helio Leonardi  ou pessoa é claro , mas uma outra concepção de amor pelo local (o antigo sentido do termo grego “pátria”, local  de nascimento que nos direcione para uma nova etapa e – porque não ? – uma nova concepção de “progresso”  (fundado no não adensamento de imóveis, moradores e carros e no convívio não predatório com animais e a natureza e não poluente )  que unifiquem descendentes dos fundadores com os descendentes dos primeiros moradores da Cidade Universitária e bairros posteriores.  E que em grande parte desejam ardentemente isso . Não só para Barão mas para todo o pais.

E na minha opinião isso é impossível se Barão não for um município com uma OUTRA proposta de política:  com salários de políticos reduzidos, governo eletrônico e descentralizado, plena vigilância e prioridade absoluta para a cultura, o turismo e a educação ambiental,   a preservação ambiental e histórica e uma qualidade de vida tirada da imaginação coletiva  para a prática. Que Barão Geraldo não desapareça como os bairros do centro de Campinas….

Veja a Lei que criou o distrito de Barão Geraldo no link abaixo

http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei/1953/lei-2456-30.12.1953.html

Warney Smith é historiador, sociólogo e autor do livro “Barão Geraldo a Luta pela autonomia ” a ser publicado

img479

Foto tirada por mim no Desfile de Cavaleiros de 1992

Anúncios

Sobre jornaldebarao

um jornal a serviço de Barão Geraldo

Um Comentário

  1. Por uma vida mais limpa e sustentável. Cursos de Energia Solar Fotovoltaica em Barão Geraldo: http://www.cursosolar.com.br

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Amprovic

Associação de Moradores e Proprietários Village Campinas

Extraterrestres

Seja bem vindo ao Site Extraterrestres - Volte Sempre

CAMPINAS DE OUTRORA

Cultuarei fatos históricos de Campinas através de imagens, textos e eventos relevantes para a nossa cidade. Sejam bem-vindos, assim como as contribuições que queiram enviar. E-mail: lcs.camargo23@gmail.com

The Barão Herald

O jornal que Barão merece.

PIBID HISTÓRIA UEPB - Campus I

Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência.

JORNALDEBARÃO

jornaldebaraogeraldo@gmail.com

Compulsões

Partilho do que conheço para que outros aproveitem como já aproveitei

QUEM A HOMOFOBIA MATOU HOJE ?

G.G.B. - 37 ANOS ::: BANCO DE DADOS

Centro Cultural Casarão

a Casa de Cultura de Barão Geraldo

%d blogueiros gostam disto: