Estudantes bloqueiam Barão contra a redução de verbas e maioridade penal e preparam ato em 25/6

Cerca de 80 estudantes de Humanas da Unicamp  fizeram um ato contra  a redução de verbas para a educação e contra a redução da maioridade penal e a politica do pais. O ato partiu da Unicamp e bloqueou as avenidas Albino José Barbosa de Oliveira  e Santa Izabel. O s estudantes são oposição ao DCE e ao governos estadual e federal. Segundo o CACH (centro Acadêmico de Ciências Humanas) que congrega o movimento, o ato foi decidido em Assembléia do IFCH dia 17 e prepara um grande ato em Campinas dia 25/6 .

Leiam texto da estudante do IFCH   do jornal Esquerda Diario

(Flavia Telles, do Esquerda DIário) Os estudantes  construíram um ato com conteúdo antigovernista e em defesa dos setores mais oprimidos, cantavam palavras de ordem em defesa da educação, cultura e esporte, e contrários a repressão policial e aos assassinatos da juventude negra das periferias. O ato seguiu até a região central de Barão Geraldo, lá os estudantes pararam algumas vias, tiraram fotos com cartazes contra a redução da maioridade penal e dialogaram com a população. Guilherme Zanni, membro do Núcleo de Consciência Negra da Unicamp e militante da Juventude às Ruas, disse “esse ato é importante para mostrar que os estudantes da Unicamp são contrários a redução da maioridade, e que lutamos para que todos os jovens, principalmente a juventude negra, tenha acesso ao ensino superior. Defendemos as cotas raciais na Unicamp e também o fim do vestibular, para que essa juventude tenha acesso ao conhecimento. A luta por educação é fundamental, também porque coloca a contradição que o governo vem cortante em educação e aprovando essas medidas que na verdade, além de negar o futuro a juventude, estão apoiadas em uma ideologia racista onde os mais prejudicados serão os negros, e onde colocará a policia mais assassina do mundo, e também conhecida pelo seu racismo para reprimir os jovens, agora com respaldo legal”.11418212_848690555168814_1824159351_n-4655d

Apesar de um DCE governista, dirigido pela UJS, e que se mostra como um entrave para a luta dos estudantes, na UNICAMP os estudantes mostraram que querem que a Juventude negra esteja ao seu lado dentro das universidades e tenha acesso à educação, lazer, arte, saúde e não seja encarcerada como o PT e sua base aliada pretendem. Querem um DCE que seja capaz de organizar cada estudante para que seja sujeito da sua luta e possa barrar os ataques dos governos e avançar para questionar o projeto de Universidade elitista e excludente e refundá-la com os setores oprimidos a frente.

O ato ocorrido hoje foi resultado da luta política dos estudantes presentes na assembleia que denunciaram o DCE, dirigido pela UJS, que somente agora realizou uma Assembleia Geral, mesmo com o intenso cenário de mobilização estudantil do Brasil, e que apesar de se dizerem contra os ataques e a redução da maioridade penal, não mobilizaram os estudantes para que pudessem se colocar contra os ataques e criar um cenário real de mobilização que colocasse os setores conservadores na defensiva. O DCE se calou frente aos principais ataques do governo Dilma, como o corte do FIES, para tentar imobilizar o movimento estudantil e assim defender as políticas do governo. Essa luta política foi parte proposta na ultima assembleia do CACH, Centro Acadêmico de Ciências Humanas, e levada como indicativo de ato à assembleia geral, para mostrar uma resposta imediata no dia que estava sendo votada na câmara a redução.

A assembleia geral dos estudantes deliberou questões importantes para o movimento estudantil frente aos ataques à juventude que estão sendo implementados pelo PT e sua base aliada. Fez parte do debate da assembleia o rechaço a “emenda da opressão”, proposta que esta sendo votada na Câmara de Campinas que quer retirar o debate sobre identidade de gênero das escolas. A assembleia geral aprovou um ato para dia 23 em combate a essa medida.

arton1490-8f1cfA discussão se aprofundou sobre os projetos de redução da maioridade penal propostos pelos partidos PSDB e PMDB, onde o PT, apesar de se falar contrário, apoiou o projeto do José Serra que visa aumentar as penas impostas pela ECA (Estatuto da criança e do adolescente), o que na pratica significa poder punir com mais tempo os menores de idade. Essa é parte do pacote de ataques que o PT vem passando, como o PL4330 que aprofunda ainda mais a terceirização, os cortes no FIES, Prouni e Pronatec, os cortes de verbas nas Universidades Federais que incidiram, sobretudo na assistência estudantil e nos salários dos trabalhadores, retirando ainda mais os direitos daqueles que são os mais precarizados da nossa sociedade e que já vivem uma vida de miséria com péssimos empregos e com a truculência diária das polícias

Flávia Telles

Anúncios

Sobre jornaldebarao

um jornal a serviço de Barão Geraldo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Amprovic

Associação de Moradores e Proprietários Village Campinas

Extraterrestres

Seja bem vindo ao Site Extraterrestres - Volte Sempre

CAMPINAS DE OUTRORA

Cultuarei fatos históricos de Campinas através de imagens, textos e eventos relevantes para a nossa cidade. Sejam bem-vindos, assim como as contribuições que queiram enviar. E-mail: lcs.camargo23@gmail.com

The Barão Herald

O jornal que Barão merece.

PIBID HISTÓRIA UEPB - Campus I

Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência.

JORNALDEBARÃO

jornaldebaraogeraldo@gmail.com

Compulsões

Partilho do que conheço para que outros aproveitem como já aproveitei

QUEM A HOMOTRANSFOBIA MATOU HOJE ?

G.G.B. - 37 ANOS ::: BANCO DE DADOS

Centro Cultural Casarão

a Casa de Cultura de Barão Geraldo

%d blogueiros gostam disto: